Obrigado por contribuir para melhorar o Fórum D!

Deixe a sua sugestão

BENEFÍCIOS DA VITAMINA D

IMPRENSA

A importância da Vitamina D (com video)


O reumatologista e um dos promotores do Fórum D, Dr. Pereira da Silva, esteve na Edição da Manhã para falar da importância da vitamina D, quando se sabe que apesar de vivermos num país onde o sol brilha grande parte do ano, muitos portugueses apresentam défice desta vitamina.

As 4 vitaminas recomendadas por um cardiologista (em inglês)


O mundo das vitaminas e suplementos é confuso. Todas apresentam os seus benefícios para a saúde, mas se tudo fosse verdade iria acabar por tomar centenas de suplementos por dia. Como saber quais é que vale a pena ter atenção? Fique a saber!

Vitamina D aumenta esperança de vida


Estudo norte-americano relaciona níveis demasiado baixos de vitamina D com o desenvolvimento de certas doenças, como as do foro cardíaco, diabetes e hipertensão.

VIDEOS

O Popular Dr. Oz aponta as Vantagens da Vitamina D


O Dr. Oz também conhecido da televisão Portuguesa refere os niveis preocupantes de carência de Vitamina D nos Estados Unidos da América e as vantagens que esta pode trazer.

A Verdadeira História da Vitamina D


Uma reportagem da CBN News sobre os efeitos da Vitamina D e os efeitos benéficos que demonstra ter contras as infecções virais entre outros.

A Vitamina D na Prevenção do Cancro


O Dr. Meschino um dos pioneiros na criação de vídeos educativos sobre medicina na Internet fala sobre a Vitamina D e a sua importância na prevenção do cancro.

Uma extensa compilação de artigos sobre Vitamina D, com link para pubmed ou fontes semelhantes.

Aceda à base científica
Cardiológicas

A Vitamina D e o coração

Sumário para doentes

 

A doença cardiovascular compreende diversos tipos de patologias:

  • ♣    Arterioesclerose (paredes arteriais engrossadas por acumulação de gordura ou placa), patologia cardíaca congénita, doença coronária (bloqueio na circulação sanguínea do músculo cardíaco), doença arterial periférica, enfartes e tromboses (coágulos de sangue nos vasos sanguíneos).

A placa ateromatosa pode dificultar e mesmo bloquear a circulação sanguínea no vaso sanguíneo, impedindo a irrigação dos tecidos a montante. Tal situação é factor de doença cardíaca, doença arterial periférica e tromboses. Os enfartes são normalmente causados por uma artéria obstruída (devido a obstrução pela placa ou coágulos) por rutura dum vaso sanguíneo no cérebro.

Fatores de risco

Os factores de risco mais relevantes para a doença cardiovascular são:

  • ♣    Dieta - uma alimentação pouco saudável, que inclua demasiados açúcares e alguns tipos de gorduras, favorecem a obstrução das artérias.
  • ♣    Tabaco - fumar aumenta a pressão arterial, favorece a doença vascular e aumenta o risco de aparecimento de coágulos. Ambas estas situações contribuem seriamente para a doença cardiovascular.
  • ♣    Álcool - a ingestão de bebidas alcoólicas em demasia pode aumentar a pressão sanguínea e a quantidade de gordura no sangue.
  • ♣    Genética - o gene thrifty (alipoprotein E epsilon 4) favorece o aumento os níveis de colesterol. As pessoas que possuem este gene encontram-se em maior risco de doença cardíaca e alzheimer.

Outros factores de risco incluem:

  • ♣    Diabetes - as pessoas com diabetes têm duas a quatro vezes mais tendência a ter doença cardiovascular.
  • ♣    Insuficiência renal crónica - esta situação reduz as concentrações da forma activa de vitamina D, aumentando assim o risco de DCV.
  • ♣    Baixas temperaturas - o tempo frio tende a aumentar a pressão arterial, o que contribui para a DCV.
  •  

Exposição solar e risco de DCV

De acordo com vários estudos, existem variações sazonais na incidência de DCV e mortalidade:

  • ♣    A DCV é mais comum no inverno, quando existe menos luz solar, especialmente nas áreas mais distantes do equador, onde consequentemente, a produção de vitamina D está nos níveis mais baixos durante o inverno.
  • ♣    A DCV ocorre com menos frequência durante o verão, quando há mais luz solar e mais produção de vitamina D.
  • ♣    Em alguns estudos, viver em alta altitude é associado a um risco reduzido de DCV. A dose de exposição a raios UV aumenta 15-20% por cada quilómetro em altura, pelo que a produção de vitamina D é mais elevada a altas altitudes.

 

Vitamina D e DCV

Foi possível observar em vários estudos que níveis baixos de vitamina D no sangue estão associados a maior risco de DCV. Existe uma evidência crescente de que a vitamina D reduz o risco de doenças cardiovasculares, doença vascular periférica e enfartes.

Níveis de vitamina D

Foram realizados à volta de 10 estudos observacionais que investigaram o risco de incidência ou morte por DCV e os níveis de vitamina D no sangue antes do diagnóstico. O risco reduz abruptamente quando os níveis de vitamina D aumentam, considerando níveis baixos e se comparam com níveis altos. O risco de DCV cai cerca de 40% quando se compara níveis de vitamina D acima dos 40 ng/ml (100 nmol/l) quando comparados com 20 ng/ml (50 nmol/l).

Como é que Vitamina D funciona neste caso?

A vitamina D ajuda a prevenir o risco de DCV através de vários mecanismos.

A vitamina D regula o metabolismo do cálcio - ao promover a sua fixação nos ossos e dentes, ao invés dos tecidos moles, intervém positivamente no bom funcionamento do sistema cardiovascular.

A vitamina D também demonstrou ainda que:

  • ♣    Reduz a inflamação
  • ♣    Aumenta a força muscular e ajuda a manter a função muscular, o que reduz o risco de falha no músculo cardíaco.

 

Prevenção

A evidência de que a vitamina D reduz o risco de DCV advém sobretudo de estudos observacionais que verificaram uma relação entre níveis elevados de vitamina D e risco reduzido de desenvolver ou morrer por DCV.

No entanto, não existem até há data estudos randomizados que provem que níveis elevados de Vitamina D resultem em menor incidência de DCV.

Tratamento

Não existem estudos sobre o uso de vitamina D no tratamento da DCV. Aumentar os níveis de vitamina D após o diagnóstico pode ajudar a reduzir o risco de mortalidade ou um segundo episódio de DCV.