Obrigado por contribuir para melhorar o Fórum D!

Deixe a sua sugestão

BENEFÍCIOS DA VITAMINA D

IMPRENSA

A importância da Vitamina D (com video)


O reumatologista e um dos promotores do Fórum D, Dr. Pereira da Silva, esteve na Edição da Manhã para falar da importância da vitamina D, quando se sabe que apesar de vivermos num país onde o sol brilha grande parte do ano, muitos portugueses apresentam défice desta vitamina.

As 4 vitaminas recomendadas por um cardiologista (em inglês)


O mundo das vitaminas e suplementos é confuso. Todas apresentam os seus benefícios para a saúde, mas se tudo fosse verdade iria acabar por tomar centenas de suplementos por dia. Como saber quais é que vale a pena ter atenção? Fique a saber!

Vitamina D aumenta esperança de vida


Estudo norte-americano relaciona níveis demasiado baixos de vitamina D com o desenvolvimento de certas doenças, como as do foro cardíaco, diabetes e hipertensão.

VIDEOS

O Popular Dr. Oz aponta as Vantagens da Vitamina D


O Dr. Oz também conhecido da televisão Portuguesa refere os niveis preocupantes de carência de Vitamina D nos Estados Unidos da América e as vantagens que esta pode trazer.

A Verdadeira História da Vitamina D


Uma reportagem da CBN News sobre os efeitos da Vitamina D e os efeitos benéficos que demonstra ter contras as infecções virais entre outros.

A Vitamina D na Prevenção do Cancro


O Dr. Meschino um dos pioneiros na criação de vídeos educativos sobre medicina na Internet fala sobre a Vitamina D e a sua importância na prevenção do cancro.

Uma extensa compilação de artigos sobre Vitamina D, com link para pubmed ou fontes semelhantes.

Aceda à base científica
Melanoma

Todos os anos nos EUA, o melanoma afecta cerca de 70 000 pessoas, matando cerca de 9 000. Este tipo de cancro afecta 33% mais homens do que mulheres. Do mesmo modo, 50% mais homens morrem desta doença.

Sumário para doentes e público em geral

 

O melanoma é um tipo de cancro cuja origem se situa nos melanocitos. Os melanocitos são células que produzem melanina, que fornece cor à pele.

Todos os anos nos EUA, o melanoma afecta cerca de 70 000 pessoas, matando cerca de 9 000. Este tipo de cancro afecta 33% mais homens do que mulheres. Do mesmo modo, 50% mais homens morrem desta doença.

Fatores de risco

Diversos factores genéticos foram identificados como riscos de melanoma:

  • Cabelo ruivo ou louro.
  • Sardas.
  • Olhos azuis ou verdes.
  • Pele clara.

A dieta tem um papel fulcral no risco de melanoma. Uma dieta rica em bebidas alcoólicas e gorduras pode aumentar o risco da doença.

Por outro lado, carbohidratos, proteínas e algumas vitaminas antioxidantes podem estar ligadas a uma redução do risco de melanoma.

 

Exposição solar e risco de melanoma

Existem dois tipos de radiação ultravioleta que podem interferir com melanomas:

  • Radiação ultravioleta de ondas curtas (UVB), que produz vitamina D - em excesso pode causar queimaduras.
  • Radiação ultravioleta de ondas longas (UVA), não produz quaisquer benefícios. Pode, contudo, gerar radicais livres, que podem alterar o ADN nos melanocitos, podendo causar melanomas.

A Eumelanina é um pigmento escuro produzido por melaninocitos. Uma tez mais escura reduz o risco de melanomas, reduzindo a penetração de radiação UV na pele. Também repara os estragos causados pela radiação UV. A Pheomelanina é uma melanina de coloração avermelhada, mais comum em pessoas com cabelo ruivo e/ou sardas. Esta forma de melanina não protege contra a radiação UV.

Os europeus que vivem em regiões longe do Equador possuem tons de pele mais claros, assim como taxas mais elevadas de melanoma. Países nestas regiões têm menos sol durante o ano. Com o aumento da latitude, os níveis de UVB reduzem mais rapidamente do que os de UVA. Contudo, com a migração de europeus com tez clara para países próximos do Equador, as taxas de incidência de melanomas aumentam, visto que o tipo de melanina que têm não os protege contra a radiação UV.

De acordo com diversos estudos, o risco de melanoma aumenta com a exposição recreativa a radiação UV. O mesmo não se verifica para exposições crónicas a radiação UV, visto que a exposição recreativa está associada a curtos períodos de tempo durante o ano, e a pela não é preparada para receber doses superiores de UV.

Quando a pele é exposta gradualmente a radiação UV, como alguns minutos por cada dia de primavera, a pele desenvolve factores de protecção. Esta protecção duplica ou quadriplica o tempo de exposição solar sem queimaduras. Simultaneamente, com a idade, a pele começa a enrugar devido a um processo denominado elastose e o melanoma tem mais dificuldades em desenvolver-se nesse tipo de pele. Por essas razões, o melanoma das pessoas idosas desenvolve-se mais frequentemente na face ou mãos.

A utilização de protetores solares é importante na prevenção contra melanomas. No entanto, não são eficientes em absoluto. Ao colocá-los, as pessoas não podem estar excessivamente ao sol, porque não protegem totalmente contra os UVA.

 

Vitamina D e melanoma

Um estudo recente – “Women's Health Iniciative” - comprovou que os suplementos vitamínicos de vitamina D a doses relativamente baixas (400 IU/d) juntamente com cálcio (1500 mg/d) não reduziram a incidência de cancro da pele não-melanoma (NMSC) ou melanoma. Contudo, em mulheres com um historial clínico de cancro da pele não-melanoma, a suplementação Ca+ vit.D reduziu o risco de melanoma, sugerindo um potencial papel protector de suplementos de cálcio e vitamina D nos grupos de risco elevado.

Existem também outras evidências das potencialidades de suplementos de vitamina D para prevenção do cancro da mama, cólon e reto. As taxas de incidência desses cancros baixam quando comparamos os indivíduos de níveis muito baixos [menos de 10 ng/mL (25 nmol/L) com os de 30 ng/mL (75 nmol/L)]. As taxas diminuem mais lentamente com níveis mais altos de vitamina D. Assume-se que resultados similares possam existir para o melanoma.

Como é que Vitamina D funciona neste caso?

A vitamina D interfere no crescimento de tumores cancerígenos. A forma activa de vitamina D - calcitriol - fornece inúmeros benefícios contra o cancro. Esta forma de vitamina D melhora o controlo do ciclo celular e aumenta a morte celular (apoptose). Esta forma de vitamina D também limita o fornecimento de fluxo sanguíneo ao tumor e reduz a proliferação do cancro.

 

Prevenção

Existem evidências de que a vitamina D presente na dieta reduz o risco de melanoma. Baseando-se nos resultados de outros cancros, o aumento dos níveis de vitamina D até 40 ng/mL (100 nmol/L) poderão diminuir o risco de melanoma. Sabe-se que a toma de 1000 IU (25 mcg) diárias de vitamina D3 revertem-se num aumento de 6-10 ng/mL (15-25 nmol/L). A vitamina D3 é a forma activa de vitamina D produzida pela pele. Contudo, estes valores variam de pessoa para pessoa, pelo que os pacientes que tomam altas doses de vitamina D devem medir os níveis de vitamina D antes e após três meses de tratamento.

 

Tratamento

Investigadores do Reino Unido estudaram os efeitos da vitamina D na recorrência do melanoma. Pacientes com suplementação diária de vitamina D ou tendo níveis elevados de vitamina D possuem taxas menores de recorrência. Os receptores de vitamina D, que afectam as mensagens e expressões genéticas, também possuem um papel neste mecanismo. Contudo, este estudo não é conclusivo sobre as influências benéficas da vitamina D no tratamento de melanomas.