Obrigado por contribuir para melhorar o Fórum D!

Deixe a sua sugestão

BENEFÍCIOS DA VITAMINA D

IMPRENSA

A importância da Vitamina D (com video)


O reumatologista e um dos promotores do Fórum D, Dr. Pereira da Silva, esteve na Edição da Manhã para falar da importância da vitamina D, quando se sabe que apesar de vivermos num país onde o sol brilha grande parte do ano, muitos portugueses apresentam défice desta vitamina.

As 4 vitaminas recomendadas por um cardiologista (em inglês)


O mundo das vitaminas e suplementos é confuso. Todas apresentam os seus benefícios para a saúde, mas se tudo fosse verdade iria acabar por tomar centenas de suplementos por dia. Como saber quais é que vale a pena ter atenção? Fique a saber!

Vitamina D aumenta esperança de vida


Estudo norte-americano relaciona níveis demasiado baixos de vitamina D com o desenvolvimento de certas doenças, como as do foro cardíaco, diabetes e hipertensão.

VIDEOS

O Popular Dr. Oz aponta as Vantagens da Vitamina D


O Dr. Oz também conhecido da televisão Portuguesa refere os niveis preocupantes de carência de Vitamina D nos Estados Unidos da América e as vantagens que esta pode trazer.

A Verdadeira História da Vitamina D


Uma reportagem da CBN News sobre os efeitos da Vitamina D e os efeitos benéficos que demonstra ter contras as infecções virais entre outros.

A Vitamina D na Prevenção do Cancro


O Dr. Meschino um dos pioneiros na criação de vídeos educativos sobre medicina na Internet fala sobre a Vitamina D e a sua importância na prevenção do cancro.

Uma extensa compilação de artigos sobre Vitamina D, com link para pubmed ou fontes semelhantes.

Aceda à base científica
Cancro da pele (não-melanoma)

Estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas nos EUA foram tratadas para cancro da pele não-melanoma em 2006. Contudo, somente 3 000 pessoas morreram com este cancro, sendo as principais mortes devidas aos carcinomas escamosos.

Sumário para doentes e público em geral

 

O cancro da pele (não-melanoma/CP-NM) estão entre os tumores malignos mais frequentes.

O tipo mais comum de CP-NM é o carcinoma basocelular, que responde por cerca de 80% dos cancros nos EUA. O carcinoma escamoso ou espinhocelular (CE) ocorre menos frequentemente, sendo responsável por 16% dos cancros da pele. Os restantes 4% correspondem aos melanomas.

As células basais são encontradas na camada mais interna da pele, enquanto as células escamosas são encontradas à superfície.

Estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas nos EUA foram tratadas para cancro da pele não-melanoma em 2006. Contudo, somente 3 000 pessoas morreram com este cancro, sendo as principais mortes devidas aos carcinomas escamosos.

Fatores de risco

Os factores de risco para cancros da pele não-melanoma incluem;

- Pele clara.

- Cabelo ruivo.

- Sardas.

- Exposição crónica aos UVB.

- Queimaduras solares.

- Tabagismo.

Vitamina D e cancro da pele não-melanoma

Existem algumas evidências que comprovam que níveis elevados de vitamina D aumentam o risco de carcinoma basocelular. A radiação UVB é um factor de risco para o carcinoma basocelular  independente da vitamina D. Na ausência de radiação UVB, não é claro que a vitamina D seja um factor de risco para este tipo de cancro. Para além disso, testes laboratoriais comprovam que a presença de vitamina D reduz o risco de carcinoma basocelular.

Para ambos os carcinomas, existem evidências de que alguns dos receptores de vitamina D (VDR) estão associados ao aumento de risco. Uma vez que a forma activa de vitamina D, calcitriol, activa os receptores de vitamina D, que, por sua vez, ativam e desativam os genes, existem evidências que sugerem que a vitamina D pode reduzir o risco destes cancros.

Prevenção

Níveis de vitamina D mais elevados podem reduzir o risco de cancro da pele não-melanoma. Contudo, é necessária mais investigação neste campo.

Tratamento

Não existem evidências que comprovem que a vitamina D é benéfica no tratamento de cancro da pele não-melanoma. Contudo, uma vez que valores elevados de vitamina D foram associados a um aumento das taxas de sobrevivência por outros tipos de cancro, a toma de vitamina D poderá auxiliar no tratamento. A abordagem terapêutica de primeira linha implica a cirurgia e outros métodos de tratamento

Comentário

Os níveis de vitamina D na Austrália, Reino Unido e nos EUA têm vindo a diminuir. Isso deve-se, provavelmente, ao aviso dos dermatologistas relativamente aos perigos da exposição solar. Deste modo, o sol tem vindo a ser evitado e o uso de protectores solares tem vindo a aumentar. Isto poderá tornar-se problemático visto que os benefícios que advém da vitamina D em diversas condições de saúde superam os problemas associados à exposição solar nomeadamente os riscos de cancro da pele.

Um dos pensamentos em voga sugere que, uma vez que a radiação UVB é a fonte mais importante de vitamina D para grande parte das pessoas, deveria tornar-se procedimento regular a manutenção ao sol por vários minutos de grande extensão de superfície de pele. Esta exposição torna-se mais proveitosa na produção de vitamina D por volta das 12h00. O tempo de exposição solar deverá ser pouco, mas diário, impedindo assim a ocorrência de queimaduras solares.