Cancro da pele (não-melanoma)

Cancro da pele (não-melanoma)

Sumário para doentes e público em geral

 

O cancro da pele (não-melanoma/CP-NM) estão entre os tumores malignos mais frequentes.

O tipo mais comum de CP-NM é o carcinoma basocelular, que responde por cerca de 80% dos cancros nos EUA. O carcinoma escamoso ou espinhocelular (CE) ocorre menos frequentemente, sendo responsável por 16% dos cancros da pele. Os restantes 4% correspondem aos melanomas.

As células basais são encontradas na camada mais interna da pele, enquanto as células escamosas são encontradas à superfície.

Estima-se que cerca de 2 milhões de pessoas nos EUA foram tratadas para cancro da pele não-melanoma em 2006. Contudo, somente 3 000 pessoas morreram com este cancro, sendo as principais mortes devidas aos carcinomas escamosos.

Fatores de risco

Os factores de risco para cancros da pele não-melanoma incluem;

– Pele clara.

– Cabelo ruivo.

– Sardas.

– Exposição crónica aos UVB.

– Queimaduras solares.

– Tabagismo.

Vitamina D e cancro da pele não-melanoma

Existem algumas evidências que comprovam que níveis elevados de vitamina D aumentam o risco de carcinoma basocelular. A radiação UVB é um factor de risco para o carcinoma basocelular  independente da vitamina D. Na ausência de radiação UVB, não é claro que a vitamina D seja um factor de risco para este tipo de cancro. Para além disso, testes laboratoriais comprovam que a presença de vitamina D reduz o risco de carcinoma basocelular.

Para ambos os carcinomas, existem evidências de que alguns dos receptores de vitamina D (VDR) estão associados ao aumento de risco. Uma vez que a forma activa de vitamina D, calcitriol, activa os receptores de vitamina D, que, por sua vez, ativam e desativam os genes, existem evidências que sugerem que a vitamina D pode reduzir o risco destes cancros.

Prevenção

Níveis de vitamina D mais elevados podem reduzir o risco de cancro da pele não-melanoma. Contudo, é necessária mais investigação neste campo.

Tratamento

Não existem evidências que comprovem que a vitamina D é benéfica no tratamento de cancro da pele não-melanoma. Contudo, uma vez que valores elevados de vitamina D foram associados a um aumento das taxas de sobrevivência por outros tipos de cancro, a toma de vitamina D poderá auxiliar no tratamento. A abordagem terapêutica de primeira linha implica a cirurgia e outros métodos de tratamento

Comentário

Os níveis de vitamina D na Austrália, Reino Unido e nos EUA têm vindo a diminuir. Isso deve-se, provavelmente, ao aviso dos dermatologistas relativamente aos perigos da exposição solar. Deste modo, o sol tem vindo a ser evitado e o uso de protectores solares tem vindo a aumentar. Isto poderá tornar-se problemático visto que os benefícios que advém da vitamina D em diversas condições de saúde superam os problemas associados à exposição solar nomeadamente os riscos de cancro da pele.

Um dos pensamentos em voga sugere que, uma vez que a radiação UVB é a fonte mais importante de vitamina D para grande parte das pessoas, deveria tornar-se procedimento regular a manutenção ao sol por vários minutos de grande extensão de superfície de pele. Esta exposição torna-se mais proveitosa na produção de vitamina D por volta das 12h00. O tempo de exposição solar deverá ser pouco, mas diário, impedindo assim a ocorrência de queimaduras solares.

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://forumd.org/forumd/wp-content/uploads/2018/06/Background-2000x800.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 240px;}