Doença de Parkinson

Doença de Parkinson

Sumário para doentes e público em geral

 

A doença de Parkinson (DP) é uma doença neurológica progressiva. Está associada a uma redução na produção de dopamina, um transmissor nervoso. A DP é marcada pelo tremor dos músculos em descanso, rigidez, movimentos mais lentos, dificuldades no equilíbrio e tropeções. A DP também pode danificar a fala e outras funções corporais.

Fatores de risco 

Existem alguns fatores de risco para a doença de Parkinson:

Poluição ambiental – alguns produtos químicos, como pesticidas, estão associadas à DP.

Baixos níveis de ácido úrico no sangue – o ácido úrico age como um antioxidante no cérebro, o que pode afectar o risco de DP.

Consumo elevado de carne vermelha – este alimento aumenta o ácido úrico, o que pode ajudar a reduzir o risco de DP.

Consumo elevado de leite – uma proteína do leite (caseina), aumenta o risco de DP (vários estudos identificaram existir uma relação entre baixos níveis de ácido úrico com o consumo de leite).

 

Exposição solar e doença de Parkinson

A radiação solar UVB é a principal fonte de vitamina D para a maioria das pessoas.

  • ♣    Um estudo na Dinamarca verificou que quem tinha um trabalho ao ar livre ou passasse mais tempo fora de casa tinha um risco mais reduzido de DP.
  • ♣    Nos EUA, há uma maior prevalência de DP nas latitudes mais altas, onde existe menor exposição solar.

Dois estudos sobre vitamina D e DP identificaram que:

No Sudoeste dos EUA, as pessoas com DP tinham níveis mais baixos de vitamina D do que aquelas que não apresentavam a doença.

Na Finlândia, níveis elevados de vitamina D foram associados a uma redução no risco de desenvolver DP em dois terços dos indivíduos avaliados num seguimento de 29 anos. No entanto, a utilidade de uma amostra de sangue perde valor preditivo à medida que o tempo passa.

Como é que Vitamina D funciona neste caso?

Ainda não são bem conhecidos por que mecanismos a vitamina D ajuda a reduzir o risco de DP. Todas as células no corpo, incluindo as cerebrais, têm receptores de vitamina D. Estes recetores são activados pelo calcitriol, a forma activa de vitamina D. Quando activados, estes recetores controlam a expressão de muitos genes.

A vitamina D também pode ajudar a reduzir a inflamação no cérebro.

 

Prevenção

Não existem estudos sobre a utilização de vitamina D para reduzir o risco de DP. Os efeitos da vitamina D podem ocorrer ao longo de vários anos, o que dificulta a determinação das quantidades de vitamina D necessárias para ter algum efeito. No entanto, com base em resultados de outras doenças, manter os níveis de vitamina D acima dos 40 ng/mL (100 nmol/L) pode ser benéfico.

Vitamina D e cálcio

Em França, em pacientes com DP e baixos níveis de vitamina D (13 ng/mL [33 nmol/L]) foram administrados 4000 UI [100 mcg]/dia de vitamina D e 1000 mg por dia de cálcio. Os sintomas diminuíram paulatinamente.

Tratamento

Os doentes com DP têm geralmente uma densidade mineral óssea baixa e um risco acrescido de quedas e fracturas. Parece ser aconselhável que as pessoas que sofram de DP procurem subir os seus níveis de vitamina D para valores óptimos, acima dos 40 ng/mL (100 nmol/L).

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://forumd.org/forumd/wp-content/uploads/2018/06/Background-2000x800.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 240px;}