Suplementação com Vitamina D reduz o risco de infeções respiratórias agudas

Suplementação com Vitamina D reduz o risco de infeções respiratórias agudas

Suplementação diária ou semanal com Vitamina D reduz o risco de infeções respiratórias agudas, sendo esse feito superior no subgrupo de indivíduos com níveis baixos de Vitamina D 

 

Sabe-se que a vitamina D tem um papel importante na modulação da resposta imune às infeções. Por esse motivo, o seu efeito nas infeções respiratórias foi objetivo de vários estudos retrospetivos, prospetivos e meta-análises ao longo dos últimos 10 anos.

Um artigo de especial relevo, publicado em janeiro de 2019 por Adrian Martineau e colegas com o título “Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory infections: individual participant data meta-analysis”2 traz algumas conclusões interessantes nesta área.

Esta meta-análise incluiu 10.933 indivíduos, compreendendo 25 estudos duplamente cegos, aleatorizados e controlados por placebo. Os estudos foram realizados em 15 países e todas as faixas etárias (0-95 anos), tanto em populações saudáveis como doentes. Todos os estudos apresentavam como endpoint primário ou secundário o efeito da suplementação de vitamina D (D3) na incidência de infeções respiratórias agudas (IRA).

Foi realizada uma meta-análise dos dados individuais (Individual personal data – IPD), que permitiu avaliar os resultados em subgrupos populacionais, definidos como:  níveis basais de 25-hidroxivitamina D sérica, regime de suplementação de vitamina D, dose de suplementação, idade, índice de massa corporal (IMC), comorbilidades respiratórias (asma, doença pulmonar obstrutiva crónica) e estado vacinal para influenza.

No conjunto dos indivíduos, concluiu-se uma redução significativa na proporção de doentes com pelo menos um episódio de IRA (odds ratio ajustado de 0,88, intervalo de confiança a 95% de 0,8 a 0,96, p=0,003). O mesmo efeito foi observado para a taxa de incidência de IRA (OR de 0,96 com CI a 95% de 0,92 a 0,997, p=0,04), embora aqui com menor magnitude estatística.

A análise dos subgrupos havia já sido publicada em parte no ano de 20172, revelando que níveis séricos inferiores a 25 nmol/L de 25-hidroxivitamina D parecem estar associados a um maior risco de infeções respiratórias agudas (OR 0,30 IC a 95% de 0,17 a 0,53). Para além disso, parece existir uma evidência forte de que a suplementação de vitamina D no subgrupo de doentes com carência (n=538) é um fator protetor para IRA (OR ajustado de 0.58, IC a 95% de 0,40 a 0,82; p=0,002), o mesmo não se verificando para os indivíduos com valores ≥25 nmol/L. De referir que este efeito protetor não é observado nos subgrupos de doentes sob regimes de suplementação com bólus.

Infelizmente não houve evidência que suporte um efeito benéfico da suplementação nos doentes respiratórios crónicos. No entanto, é de referir que também em 2019, David A Jolliffe e colegas publicaram na revista Thorax um outro artigo de revisão3 relativamente à DPOC, que incluiu 4 estudos randomizados controlados por placebo, com 560 indivíduos.  Nesta meta-análise o risco de exacerbações moderadas a graves foi reduzido significativamente com a suplementação, precisamente no conjunto de indivíduos com níveis inferiores a 25 nmol/L.

O artigo de Adrian Martineau, de boa qualidade, tem naturalmente algumas limitações, referidas pelos próprios autores. Uma das mais pertinentes é o facto de não conseguir diferenciar entre infeções respiratórias altas e baixas. Para além disso, os critérios diagnósticos de infeção são pouco claros, com definições discrepantes entre os estudos.

Apesar destas limitações, parece haver algo de promissor das mudanças alimentares e no uso de suplementação nos indivíduos com insuficiência vitamínica, que poderá ter efeito no paradigma de prevenção das infeções respiratórias, com um impacto significativo na saúde pública e na economia nacional.

 

Bibliografia:

1 Martineau AR, Jolliffe DA, Greenberg L, Aloia JF, Bergman P, Dubnov-Raz G,et al. Health Technol Assess. 2019 Jan;23(2):1-44. doi: 10.3310/hta23020.

2 Martineau AR, Jolliffe DA, Hooper RL, Greenberg L, Aloia JF, Bergman P, et al. Vitamin D supplementation to prevent acute respiratory tract infections: systematic review and meta-analysis of individual participant data. BMJ. 2017;356:i6583. doi: 10.1136/bmj.i6583

3 Jolliffe DA, Greenberg L, Hooper RL, et al. Thorax. 2019;0:1–9. doi:10.1136/thoraxjnl-2018-212092

 

Comentário de: 

Vânia Fernandes, Tiago Alfaro

Serviço de Pneumologia do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://forumd.org/forumd/wp-content/uploads/2018/06/Background-2000x800.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 240px;}