Altas doses de Vitamina D podem ajudar na qualidade de vida de pacientes com Insuficiência Cardíaca

Altas doses de Vitamina D podem ajudar na qualidade de vida de pacientes com Insuficiência Cardíaca

Os níveis de vitamina D têm sido associados a vários aspectos da saúde cardiovascular, incluindo Insuficiência Cardíaca (IC), e estudos anteriores determinaram associações entre o estado de vitamina D e o risco de IC e o sucesso do tratamento.

Devido à alta prevalência de deficiência de vitamina D naqueles que vivem com a condição, juntamente com a evidência atual que apoia o papel da vitamina D na gestão da insuficiência cardíaca, os investigadores deste estudo avaliaram o papel dos níveis de vitamina D na qualidade de vida e estado cardio-pulmonar entre pacientes com IC.

Investigadores Norte-Americanos reuniram participantes para este estudo entre o outono de 2012 e a primavera de 2015. Os indivíduos eram elegíveis se fossem pacientes de classe II ou classe III HF, com mais de 18 anos de idade, em terapia médica direta orientada e estável para pelo menos 3 meses e apresentassem níveis de vitamina D inferiores a 32 ng/ml. Metade dos indivíduos foram administrados com 10 000 UI de vitamina D3 por dia durante seis meses e versus comprimido de placebo idêntico durante seis meses. Todos os participantes foram avaliados na baseline e no final do estudo.

O BNP (Brain Natriuretic Peptide) foi usado como marcador de IC e o hsCRP como marcador para a inflamação. A qualidade de vida foi medida através do Kansas City Cardiomyopathy (KCCQ). O KCCQ avalia a função física e social bem como a frequência e gravidade dos sintomas.

Em suma, estas são algumas das conclusões dos investigadores:

– Por 6 meses, o estado de vitamina D aumentou para ± 28 ng/ml no grupo de tratamento, enquanto o grupo placebo permaneceu inalterado (7 ng/ml).

– O BNP melhorou o grupo de tratamento em comparação com o grupo placebo (p = 0,003).

– Nos homens, mas não nas mulheres, o grupo de suplementos apresentou níveis de hsCRP significativamente melhorados (p = 0,05).

– Os scores gerais do KCCQ melhoraram significativamente no grupo de suplementos de vitamina D em comparação com o placebo (p = 0,01).

Estes dados são muito interessantes, mas é preciso notar as características deste estudo. Por um lado, os investigadores utilizaram uma dose mais alta de vitamina D do que a observada na maioria dos outros estudos.10 000 UI (250 mcg) de vitamina D3 por dia foram eficientes para elevar os níveis de vitamina D dos participantes para cerca de 70 ng/ml. Os investigadores referiram que se os níveis de cálcio aumentassem de forma significativa, o participante seria administrado com uma dose menor, o que não foi observado em nenhum dos participantes ao longo dos seis meses deste estudo.

No entanto, a principal limitação desta investigação é o pequeno tamanho da amostra: apenas 37 participantes. São necessários ensaios controlados adicionais, com uma amostra maior, para determinar o efeito da repleção de vitamina D como terapia adjuvante em indivíduos com tratamento estável para insuficiência cardíaca.

 

Fontes:

PubMed

Original Article

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://forumd.org/forumd/wp-content/uploads/2018/06/Background-2000x800.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 240px;}