Gravidade da secura ocular na Síndrome de Sjögren primária associada a deficiência de Vitamina D

Gravidade da secura ocular na Síndrome de Sjögren primária associada a deficiência de Vitamina D

O conhecimento adquirido nas últimas décadas acerca do envolvimento da vitamina D na modulação do sistema imune – nomeadamente na regulação de diversos mecanismos promotores da tolerância a autoantigénios – promoveu alguma investigação no sentido de compreender se existe uma associação entre níveis deficitários de vitamina D e maior suscetibilidade para certas doenças autoimunes, bem como maior gravidade das suas manifestações clínicas e laboratoriais.

Para o caso particular da Síndrome de Sjögren primária, tais questões não têm ainda uma resposta clara, quer pela contraditoriedade dos escassos dados de que dispomos até ao momento, quer pela possibilidade de causalidade reversa, uma vez que doentes com condições de saúde mais frágeis tendem à evicção da exposição solar e a maior propensão para défices nutricionais.

O estudo coreano de Jee Lee, recentemente publicado, foi o primeiro trabalho desenvolvido no sentido de analisar especificamente, em doentes com Síndrome de Sjögren primária, a relação entre níveis deficitários de vitamina D e a gravidade da xeroftalmia. Incluiu, para o efeito, uma amostra de 74 doentes em que foram avaliados os níveis séricos de vitamina D e diversos parâmetros de olho seco (teste de Schirmer I, tempo de rutura da fluoresceína e score de coloração córnea-conjuntiva com verde de lissamina), tendo sido também inquiridos sintomas de secura ocular através do questionário Ocular Surface Disease Index (OSDI). Os doentes foram então divididos em três grupos (com deficiência/insuficiência/níveis normais de Vitamina D), os quais foram comparados relativamente a parâmetros de olho seco. Comparativamente ao grupo de doentes com níveis séricos normais, o grupo de doentes com défice de vitamina D apresentou resultados significativamente piores em todos os parâmetros, não tendo sido, no entanto, encontradas diferenças de score OSDI. Demonstrou-se, ainda, existir uma correlação, forte para duas das medidas avaliadas, entre níveis séricos de vitamina D e parâmetros de olho seco, no sentido de melhores resultados com níveis séricos mais elevados de vitamina D.

Os resultados deste estudo parecem, de facto, apontar para uma relação entre níveis deficitários de vitamina D e maior gravidade da xeroftalmia em doentes com síndrome de Sjögren primária, pelo menos no que diz respeito às medidas objetivas avaliadas. Importa, ainda assim, interpretar cautelosamente estes resultados considerando as principais limitações do trabalho, nomeadamente a pequena dimensão da amostra analisada, o design retrospetivo e a ausência de ajuste para fatores confundidores que influenciam os níveis séricos de vitamina D, como a dieta, a exposição solar e algumas terapêuticas.

Serão, desta forma, necessários estudos adicionais que demonstrem, com base em dados mais robustos, qual a relação entre a carência de vitamina D e a gravidade da secura ocular, bem como o eventual benefício da suplementação de vitamina D em doentes com Síndrome de Sjögren primária.

Fonte:

Lee JH, Kim SJ, Byun YS, Lee J, Park SH, Chung SH. The Association of Serum Vitamin D Level With the Severity of Dry Eye Parameters in Primary Sjögren Syndrome..Cornea. 2020 Jun;39(6):702-705.

Dra. Rita Prata, Interna de Formação Específica de Reumatologia

Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://forumd.org/forumd/wp-content/uploads/2018/06/Background-2000x800.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 240px;}